/ Artigos / Carta Aberta ao Senado Federal sobre a Lei que Pretende Legalizar o Casamento Gay no Brasil

Tamanho da letra

00/00/0000
Carta Aberta ao Senado Federal sobre a Lei que Pretende Legalizar o Casamento Gay no Brasil
CARTA ABERTA AO SENADO FEDERAL 

PAULO RUFINO


Excelentíssimos Senadores da República Federativa do Brasil, 


Meu nome é Paulo Rufino. Sou pastor evangélico. Os senhores não me conhecem, pois não sou um pastor da mídia. Não sou famoso.Não tenho holofotes sobre mim. Não tenho programa de TV, nem sou consultado pelos jornais nem pela VEJA, Época ou Istoé em quaisquer polêmicas que digam respeito à questões de fé. Sou um anônimo. Alguém da massa, do povo, um alguém na multidão, aliás, uma pálida figura na multidão. Entretanto, isso não me torna menos digno como ser humano, como brasileiro, como cidadão que tem um RG, um CPF, que vota, que paga impostos e que numa democracia tem direito a fazer ouvir sua voz! Quanto aos Senhores, apenas os Senadores Magno Malta e Marcelo Crivella já me foram apresentados, já estive frente-a-frente, cara-a-cara. Aos demais, só fui apresentado pela mídia, posto que são figuras públicas da mais alta patente do Poder Legislativo. 

O que me incitou a escrever aos Excelentíssimos Senhores é a iminente votação no Senado Federal à chamada LEI DA HOMOFOBIA(PLC 122/2006), que no seu texto caracteriza toda manifestação contrária ao homossexualismo como homofóbica, e que caracteriza como crimes todas essas manifestações! Ora Vossas Excelências!, como cristão só me resta repudiar a caracterização da expressão do ensino bíblico sobre o homossexualismo como sendo homofobia, posto que homofobia é repúdio, ódio, aversão ao homossexual ? repulsa essa que instiga até mesmo a várias formas de violência e exclusão social( coisas que como ministro do Evangelho igualmente repudio!). Nós amamos os homossexuais enquanto pessoas, embora não amemos a prática homossexual. Assim aprendemos de Jesus Cristo. Não é uma lei humana senão a lei do amor divino, que ama o ser humano com suas anomalias e ambigüidades sem que com isso, sejam aprovadas as suas escolhas e tendências. 

Nesta carta que humildemente eu solicito que dêem atenção, gostaria de postular algumas coisas com os Senhores: 

1. Que os Senhores creiam que "estão" senadores porque essa foi a vontade de Deus, posto que toda autoridade é constituída por Deus( Rm 13.1). Todos quantos se encheram de ensimesmamento e altivez se viram achatados pela História e solapados pela tragédia. Jesus disse a Pilatos que nenhum poder ele teria se não fosse dado do Alto(Jo 19.11). Segundo São Paulo, as autoridades são ministros de Deus( Rm 13.4), logo, antes dos Excelentíssimos serem Senadores da República do Brasil, são ministros de Deus, levantados por Deus com a missão de fazer o bem. 

2. Que os Senhores reflitam que ao aprovarem esta lei estariam estuprando a liberdade religiosa assegurada a todo cidadão brasileiro à exposição de sua fé sem a interferência do Estado, sendo a este vedada a interferência nas formas de culto, na subvenção de quaisquer cultos e ainda na própria opção pela inexistência de fé e culto; violentando a liberdade de expressão, como direito individual e coletivo, a liberdade de consciência ? questões estas asseguradas pela Carta Magna ? a Constituição Brasileira ? e que se comprometem a manter o Estado eqüidistante das manifestações cúlticas em todas as culturas e expressões religiosas do nosso país. 

3. Que os Senhores saibam com a alma que a família foi constituída por Deus segundo ensinam as Escrituras Sagradas com uma diferenciação sexual(homem e mulher) e é a mais antiga instituição do kosmo, possuindo propósitos heterossexuais específicos que envolvem o casamento, a unidade sexual e a procriação; e que Jesus Cristo ratificou esse entendimento ao dizer, "?desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher" (Marcos 10.6); e que os apóstolos de Cristo entendiam que a prática homossexual era contrária aos planos originais de Deus (Romanos 1.24-27; 1Coríntios 6:9-11). Logo, o heterossexismo não é uma ditadura xenofóbica imposta ou uma violação dos direitos dos homossexuais( semelhante ao racismo como afirma o movimento GLBT), e sim, o modelo humano de intimidade e vinculação e a referência de saúde humana desde o princípio. Deus criou Adão e Eva! Não foi Adão e Ivo, nem Ada e Eva. Tampouco Adão sendo homem tinha psique feminina, sendo "homem" o próprio significado do seu nome, ou Eva, um homem psicológico em corpo de mulher! "E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou" ( Gn 1.27) - reenfatizo. Ser macho e fêmea é intrínseco do ser! Logo, ser "além-gênero"(transgênero) não é privilégio, nem motivo de vanglória, e sim a negação do eu-que-se-é em troca de um eu-que-não-é-mas-que-se-quer-ser, ou seja, ser além-gênero é degradar o ser do jeito que ele é. É ser aquém-gênero! É o desespero do negar a própria natureza. É uma tentativa psicológica mormente inconsciente de suprimir a culpa da dis-função com contornos de normalidade. Apologizar o "transgeneralismo" sexual é mais ou menos a conduta do louco que em raro momento de sanidade tenta fazer de todos os outros seres loucos para que se sinta mais normal!Assim o louco se torna normal e a loucura ortodoxia! Como dizia o filosofo dinamarquês Kierkegaard, "a intensidade do desespero aumenta com a consciência", sendo assim, vejo os GLBTs como almas que necessitam cauterizar as próprias consciências e a consciência da sociedade in totum para expurgar seu desespero latente! Ainda diz o filósofo que diante do desespero as pessoas tendem a pensar na maneira de se tornar um outro e o desejo do desesperado é a mais extravagante de todas as metamorfoses, apaixonado pela ilusão de que se pode mudar o "eu" como se muda de casaco! 

4.Que os Excelentíssimos Senhores levem em conta que ninguém nasce homossexual. Absolutamente nenhuma pesquisa no campo da genética provou que o homossexualismo procede de mutações de natureza genético-psíquicas, como muitos querem doutrinar. Salvo raras exceções de ordem espiritual, toda homossexualidade é de natureza psicológica. Trata-se de uma disfunção na estrutura da alma provocada por abusos psicológicos. As relações parentais e familiares, a cultura e a vida social, com seus referenciais e seus abusos físicos e psicológicos exacerbam as múltiplas tendências anômalas que todo ser humano traz introjetado em si. Não nego aos senhores que muitos de meus colegas, seja por simplismo, seja por ignorância, chamam esses distúrbios de "sem-vergonhice". Eu como pastor, tenho acompanhado de perto a luta de muitos para vencer essas pulsões e compulsões - quase sempre originadas das causas que expus anteriormente -, gente-que-não-quer-querer-o-que-quer, gente-que-não-gosta-de-gostar-do-que-gosta, nem quer que outros sejam vítimas de seu flagelo. 

5.Que os Excelentíssimos Senadores da República não reneguem suas criações cristãs deixando-se subverter pelo darwinismo evolucionista que vulgariza, banaliza ou descrê totalmente que Deus criou Adão e Eva. Sim, porque se assim for, não existe ortodoxia sexual. "Tanto faz como tanto fez". Se não somos frutos de um projeto perfeito de Deus e sim, fruto de um acidente cósmico-bacteriano, de um caldo primordial, então não existe homem e mulher, macho e fêmea. Tudo é relativo! Nosso comportamento sexual é simplesmente um produto sócio-cultural, o resultado das impressões psicológicas ou de uma carga genética acidentada desde o "acidente original". 

6.Que os Senhores não se equivoquem pela hipocrisia de normalizar o que é anormal e "ortodoxizar" o que é heterodoxo, como discorrido na minha terceira postulação. Sim, porque muitos dos que assim defendem a conduta homossexual não suportariam ver seus filhos ou netos protagonizando as cenas das "paradas gays" que as TVs não mostram ? cenas essas chocantes e desprovidas do romantismo que tão de perto se agrega ao movimento gay. Quase a totalidade dos que eu conheço que defendem o movimento gay-lésbico o defende só até ao ponto que não envolve seus próprios filhos e parentes. São semelhantes àqueles que dizem que não são racistas até que o filho ou a filha brancos como copos de leite cheguem em casa com um parceiro negro e diga-lhes que encontraram o(a) homem(mulher) de suas vidas! "Daí a casa cai"! Isso não é a mais deslavada hipocrisia?! Ora vejam que ninguém pode ser reprovado naquilo que aprova! Pensem bem nisso!Não cauterizem suas consciências nem se façam "loucos" ( por favor, a palavra loucos tanto aqui como na terceira postulação é usada apenas de forma retórica não psíquica) para tornar os "loucos" mais normais! Não anuam a comportamentos aberrativos como se os tais fossem virtudes, nem se "desesperem" diante da vossa responsabilidade de promover uma sociedade igualitária, justa e humana legitimando o desespero de pessoas que querem negar suas naturezas, sendo assim, negando a criação de Deus como ela é! 

Com toda humildade e respeito, peço que recebam esta minha carta e busquem a orientação de Deus( Aquele que vos constituiu o que sois!) antes de votarem esta LEI DA HOMOFOBIA. Espero que ela não tenha sido aos vossos olhos como o grito de um fanático (o que sei que não sou!), mas um apelo sensato e visceral em favor da saúde da sociedade, da família, da moral, da ética, dos princípios cristãos e da liberdade da Igreja se expressar profeticamente em relação àquilo que considera a Verdade do Evangelho. Se não for assim o vosso julgamento, de antemão quero que saibam que estarei disposto a suportar cadeias e prisões, mas não serei refém de nenhuma lei humana, senão a do meu Deus! 

Graça, paz, misericórdia e sabedoria aos Senhores Senadores! 

Yeshua Shalom! 

Paulo Rufino 
23/09/07 

Ilha do Governador 

Rio de Janeiro 





Esta carta foi enviada a todos os Senadores do Brasil. 




adelmir.santana@senador.gov.br, 



alfredon@senador.gov.br 



almeida.lima@senador.gov.br 



mercadante@senador.gov.br 



alvarodias@senador.gov.br 



acm@senador.gov.br 



antval@senador.gov.br, 



arthur.virgilio@senador.gov.br, 



augusto.botelho@senador.gov.br, 



cesarborges@senador.gov.br,


cicero.lucena@senador.gov.br, 



cristovam@senador.gov.br, 



delcidio.amaral@senador.gov.br,


demostenes.torres@senador.gov.br, 



edison.lobao@senador.gov.br, 



eduardo.azeredo@senador.gov.br,


eduardo.suplicy@senador.gov.br, 



efraim.morais@senador.gov.br, 


eliseuresende@senador.gov.br, 



ecafeteira@senador.gov.br,


expedito.junior@senador.gov.br, 



fatima.cleide@senadora.gov.br,


fernando.collor@senador.gov.br, 



flavioarns@senador.gov.br,


flexaribeiro@senador.gov.br,


francisco.dornelles@senador.gov.br,


garibaldi.alves@senador.gov.br,


geraldo.mesquita@senador.gov.br, 



gerson.camata@senador.gov.br,


gilvamborges@senador.gov.br, 



heraclito.fortes@senador.gov.br,


ideli.salvatti@senadora.gov.br, 



inacioarruda@senador.gov.br;


jarbas.vasconcelos@senador.gov.br,


jayme.campos@senador.gov.br, 



jefperes@senador.gov.br


joaodurval@senador.gov.br, 



joaoribeiro@senador.gov.br,


jtenorio@senador.gov.br, 



j.v.claudino@senador.gov.br,


joaquim.roriz@senador.gov.br, 



jonaspinheiro@senador.gov.br,


jose.agripino@senador.gov.br, 



jose.maranhao@senador.gov.br;


josenery@senador.gov.br,


sarney@senador.gov.br, 



katia.abreu@senadora.gov.br, 



leomar@senador.gov.br, 



lucia.vania@senadora.gov.br, 



magnomalta@senador.gov.br, 



maosanta@senador.gov.br, 



crivella@senador.gov.br, 



marco.maciel@senador.gov.br, 



marconi.perillo@senador.gov.br, 



maria.carmo@senadora.gov.br, 



mario.couto@senador.gov.br, 



marisa.serrano@senadora.gov.br, 



mozarildo@senador.gov.br, 



neutodeconto@senador.gov.br;


osmardias@senador.gov.br,


papaleo@senador.gov.br, 



patricia@senadora.gov.br 



paulo.duque@senador.gov.br 



paulopaim@senador.gov.br


simon@senador.gov.br 



aimundocolombo@senador.gov.br


renan.calheiros@senador.gov.br 



renatoc@senador.gov.br 



romero.juca@senador.gov.br 



romeu.tuma@senador.gov.br


rosalba.ciarlini@senadora.gov.br 



roseana.sarney@senadora.gov.br


sergio.guerra@senador.gov.br 



sergio.zambiasi@senador.gov.br 



serys@senadora.gov.br 



siba@senador.gov.br 



tasso.jereissati@senador.gov.br 



tiao.viana@senador.gov.br


valdir.raupp@senador.gov.br 



valterpereira@senador.gov.br 



wellington.salgado@senador.gov.br 


Compartilhe


Comentários
Deixe seu comentário
Pesquise no site: