/ Cartas / Você precisa me ajudar...O sonho de morar com meu pai tornou-se um pesadelo...

Tamanho da letra

00/00/0000
Você precisa me ajudar...O sonho de morar com meu pai tornou-se um pesadelo...
Título:
Você precisa me ajudar...O sonho de morar com meu pai tornou-se um pesadelo...
Pergunta: 
Olá pastor...Bom, minha historia é muito longa e também um pouco complicada, mas vou resumi-la pra você entender tá?!



Quando minha mãe engravidou de mim meu pai não quis me assumir,então depois de 15 anos ele resolveu fazer o teste do DNA... Deu positivo, então ele quis que eu viesse morar com ele aqui no Rio, só que ele não me dá a mesma atenção e carinho que ele dá pros outros filhos dele...Ele acha que só o simples fato dele estar me dando bens materiais como roupas, sandálias, brincos, essas coisas, ele está me dando tudo! Aqui com ele no Rio graças a Deus nunca me faltou nada, enquanto com a minha mãe que mora no Nordeste, a gente passava sim algumas dificuldades( para não dizer MUITAS), mas nada que a família não pudesse resolver!



Era meu sonho morar com meu pai mas esse sonho tornou-se pesadelo, e sem falar que a mulher dele e um demônio...rsrsrs... Desculpe a palavra Pastor rsrs, mas é assim que a vejo. Ela não gosta de mim, me maltrata, fala palavras que machucam. A atenção que meu pai tem é toda pra lá e pros outros filhos que ele teve com essa mulher. Já minha mãe me dá todo o carinho! Tem minha família que gosta muito de mim. Tenho meus irmãos, minhas tias, enfim, tenho minha liberdade e sou amada. 



Aqui no Rio eu nunca saio pra lugar algum. Eles não me levam quando é pra sair pra algum lugar, me ignoram, me deixam de fora de todos os programas. Quantas vezes eles estão saindo e inventam que não dá pra eu ir porque não estou arrumada? ( sem terem me dito nada antes, só mesmo pra me excluir). Nessas raras vezes que eles não podam a minha ida e a gente vai no shopping por exemplo, ele, meu pai, finge que não me conhece e sinceramente, eu não quero ficar aqui, mas também nao quero voltar pra lá entendeu? Dá pra entender meu problema? Eu sei que aqui eu vou ter de tudo desde o básico ao mais sofisticado, mas que adianta eu ter isso tudo e não ter alegria? Não ter amor com meu pai e criar ódio da minha madrasta?Porque eu acho que eu já tô com isso!Eu já pedi tanto a Deus pra me ajudar, pra me mostrar um caminho... Já chorei tanto pastor que não tenho mais forças pra chorar! Eu sempre tento me aproximar do meu pai mas tudo é em vão! Nada o agrada! Eu não aguento mais. A minha vida tá acabando... minhas forças esgotaram e até penso que Deus já se esqueceu de mim... Já não tenho mais forças, elas se esgotaram. Não sei o que fazer, não sei o que é melhor pra mim. Eu tô perdida! Não sei qual o caminho a seguir... Sinto saudades da minha mãe e família, então mais do que nunca eu preciso da sua ajuda e de um conselho seu. Quem sabe Deus não usa você pra falar comigo e me dizer o que eu devo fazer...



Por favor, me ajude! Não me deixe sozinha também...a tristeza já tomou conta de mim...a solidão sempre anda comigo..e o silêncio é o meu melhor amigo. Você precisa me ajudar.



Vou aguardar sua palavra amiga e seu conselho...



Mk...
Resposta: 
Querida filha, graça e paz! 

Eu entendo perfeitamente o que você está vivendo. Neste exato momento do meu ministério estou tratando com duas situações idênticas a sua. O fato de você ter começado a história desde antes de seu nascimento me leva a crer que a decisão que você precisa tomar é muito mais que geográfica ou familiar, mas basicamente existencial. Sim, por que que adolescente não gostaria de ter um pai e a segurança que uma paternidade confere, mas veja: não basta ter pai para MOSTRAR PARA OS OUTROS quando esse pai não é um pai que SE MOSTRA PRA GENTE como referencial de proximidade, amor e proteção; não basta ter um pai comprovado por um exame de DNA, mas não comprovado pelos testes de vivência paterna aos quais a vida submete diariamente; não basta um pai que te traz segurança financeira mas não traz a segurança de um beijo, de um abraço, de afago, de cafuné, de presença, de aceitação, de trazer pro colo, de diálogo. Segurança financeira é importante, mas não é O MAIS IMPORTANTE. Falo como quem convive e conviveu com pessoas e situações as mais diversas no que tange a esse assunto. Conheço gente que tem carrão esporte do ano, mora em mansão, tem de tudo que o dinheiro pode comprar e diz que trocaria tudo por um abraço, por um pouco de atenção, por um passeio, por sentir que o pai se preocupa com seus anseios, sonhos, medos; se preocupa com suas mazelas; gente que troca toda a grana do mundo por sentir que tem um pai e não um pai-trocinador de caprichos; gente que troca um monte de "sims" por um não, posto que o NÃO mostra geralmente mais interesse no bem-estar do filho que um SIM que é simplesmente evidência não de comprometimento com o filho, mas de indiferença! O que vou te falar pode parecer a você que é jovem uma loucura, mas há muitos pedidos que o filho faz que na verdade ele não quer ouvir um sim como resposta, mas um Não! Geralmente isso é inconsciente, mas assim o é! Tratam-se de testes inconscientes: testes de auto-valorizacao, de aceitação, de auto-estima. 

O que você precisa pensar é o seguinte: o que te vale mais? A segurança financeira sem amor da casa do seu pai ou a in-segurança financeira da casa da sua mãe, mas regada de amor, de solidariedade de toda a família que lá está, de atenção? 

O que vale mais? O ambiente saturado de opressão, de agressões, de desprezo, de abandono, de palavras que machucam e junto com tudo isso a fa-r-tura, ou o ambiente de fa-l-tura, mas onde não falta apreço, liberdade e condições pra você crescer como pessoa? Sim querida, pois o dinheiro pode fazer você crescer por fora, ampliar suas possibilidades, te dar bons estudos, uma boa faculdade, uma boa colocação profissional, mas te atrofiar por dentro, te fazendo ser uma pessoa cheia de doenças, complexos, inseguranças e traumas. Eu mesmo já lidei com doutores, doutoras, empresários, profissionais liberais do mais alto gabarito, todavia completamente devastados emocionalmente, sendo o cerne de todo esse esfrangalhamento emocional o ambiente familiar. 

O que te digo, portanto é: 

- Em primeiro lugar, vasculhe seu próprio coração para analisar se seus motivos são realmente legítimos, se pela falta do pai durante 15 anos você não esteja querendo atenção exclusiva no intuito de aplacar sua carência, ou seja, a falta de atenção de seu pai não é porque ele não te dá atenção, e sim porque ele não te dá atenção da maneira que você acha que ele deve te dar( o que pode ser in-correspondível quando a alma não encontra satisfação senão em doses impensáveis, como se fosse um buraco-negro que vai sugando tudo o que surge ao seu redor, mas nada lhe farta). 

- Se sendo sincera consigo mesma detectar que não é este o problema, então tente se aproximar de seu pai mais uma vez( embora você diga que todas as suas tentativas até hoje foram em vão). Chame-o para um cara-a-cara, tête-à-tête, para um diálogo franco, aberto, de coração rasgado, alma desnudada. Chame-o para uma conversa em que não estejam herméticos, fechados, pedrados um com o outro, mas "desarmados". A Bíblia diz que "Deus converteria o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos aos seus pais". Eu sinceramente creio que Deus pode converter o coração de seu pai a você e ajudá-lo a entender que você precisa de mais do que um nome masculino nos seus documentos de identidade, sapatos, brincos ou quaisquer outros bens materiais: ele precisa ser o pai que durante 15 anos você aguardou como expectativa de completude existencial. 

- Caso contrário, se as coisas continuarem inalteradas, se não houver diálogo, se não houver entendimento, se seus sentimentos não forem correspondidos e esse sentimento de amargura continuar se apoderando de seu coração, levando-a a se encher de depressão, ansiedade, melancolia e raiva, então re-veja a sua rota, a sua decisão anterior analisando estes textos da sábia bússola que é a Palavra de Deus: 

"Melhor é um prato de hortaliça, onde há amor, do que o boi cevado e com ele o ódio." (Pv. 15.17.); 

"Melhor é um bocado seco, e tranqüilidade, do que a casa farta de carnes, e contenda." (Pv. 17.1.);

"Melhor é morar no canto do eirado do que junto com a mulher rixosa na mesma casa." (Pv. 21.9.).


Espero tê-la ajudado nesta tomada de decisão tão importante...

Beijo gostoso no ser,

Paulo

14/01/2009

Ilha do Governador, Rio de Janeiro


Compartilhe


Comentários
Deixe seu comentário
Pesquise no site: